Ela confessa: “Tive sexo anal”!

Temos a nossa primeira leitora que decidiu escrever uma carta aberta sobre o que sentiu quando teve sexo anal pela primeira vez, se quiser seguir o exemplo da nossa leitora esteja à vontade, não há nada melhor do que escrever sobre as próprias experiências e partilhar com os outros!

 

A história de Telma quando teve sexo anal pela primeira vez!

 

Olá, o meu nome é Telma e tenho 25 anos, apesar de ser sexualmente activa desde os meus 16 anos, devo de confessar que nunca tinha experimentado sexo anal com ninguém. De momento não tenho nenhum relacionamento amorosa, ou melhor tenho vários a decorrer, não sendo nenhum sério, ainda me considero demasiado nova para me prendar.

Não gosto que me controlem e muito menos que tentem quebrar a minha liberdade! Demorei demasiado tempo a conseguir encontrar-me, digamos que os meus tempos de jovem rebelde foram mesmo assim, demasiada rebeldia sem sentido sem necessidade para tal. Mas que podemos nós fazer? Quando somos mais velhas é que começamos realmente a perceber como é que a vida funciona e pior ainda, a “conversa” que a nossa mãe tem connosco sobre sexo (para os que têm a sorte de a ter), nem sempre é o que elas dizem!

O sexo anal não é nada do que nos pintam, não é nada do outro mundo como muitas vezes querem fazer parecer mas devo de confessar que também não é nada do que vemos em filmes pornográficos, não vos vai dar aquele prazer imenso, ou pelo menos a mim não me deu!

Mas sendo esta a minha história, quero-vos contar tudo, ou pelo menos a parte que mais vos irá interessar! Depois de uma noite no Bairro Alto, encontrei o João, digamos que foi o meu primeiro amor, mas por azar do destino nunca namoramos oficialmente, apenas “estivemos juntos” durante quase três anos. Durante as sessões sexuais, o prazer, a tesão e a paixão estiveram sempre presentes, mas nunca passou disso, assim como o tempo foi passando e o encanto por ele também acabou por passar.

Ali estava ele, melhor do que nunca loiro de olhos azuis e com um corpo que continuava a dar-me vontade e o ter logo ali naquele balcão de bar, (algo que nunca fiz, num bar, terá que ficar mesmo na minha Lista de Desejos!).

Veio ter comigo e começámos a falar, de repente olhámos para o relógio e já tinham passado duas horas e meia, a last call já tinha sido feita mas a sede continuava assim como a conversa. Temas de conversa foi algo que nunca nos faltou, como tal fomos para casa dele que era logo ali ao lado, melhor de tudo é que vivia sozinho, não houve problema por causa do barulho e sendo sexta-feira à noite isso é sempre muito importante.

Quando chegámos a casa dele, a conversa continuou durante mais uma hora mas acabámos por nos render à paixão do passado e claro que o álcool ajudou a que tudo se torna-se muito mais fácil! Depois de sexo vaginal, que durou cerca de hora e meia, a sede pelo corpo ainda não tinha sido completamente saciada como tal decidimos explorar novos campos, já que eu nunca tinha experimentado sexo anal, decidi que era algo novo que devia de tentar e como estava completamente relaxada não me importei mesmo nada!

Já tinha lido vários artigos sobre sexo anal, bem como tudo o que devia de fazer e o que não deve de ser feito, pois então devo de confessar que a única sorte foi realmente ter ido à casa de banho no próprio dia, os meus intestinos vazios e como tal não haveria problema. Claro que usámos muito lubrificante e preservativo, porque apesar de tudo o sexo anal não deixa de ser algo “sujo”, a posição inicial foi deitada de lado na cama e ele acariciou-me o ânus, mais uma vez tal como tinha lido.

Mas depois de duas ou três tentativas quase que desistimos pois não conseguíamos parar de rir, provavelmente o nervosismo não tenha ajudado nem o álcool, mas a situação estava a ser engraçada. Foi então que me lembrei de uma das minhas posições sexuais favoritas, Doggie Style adoro, adoro, adoro!

Meti-me de quatro em cima da cama e ele de pé, mais uma vez encheu-me o rabo de lubrificante bem como o seu pénis, a conversa continuava animada assim como nós e não é que nem sequer dei pela entrada do seu pénis no meu rabo apertado! Os gemidos dele realmente indicaram que estava a gostar do que estava a fazer, mas devido ao seu tamanho teve que ir realmente devagar. Confesso que ao inicio foi muito estranho ter algo no meu rabo, pois a posição indica-me vaginal e não anal, visto que era a primeira vez ele foi com calma, mas devo de confessar que comecei a sentir um prazer estranho, algo que nunca tinha experienciado antes!

Entre penetrações mais rápidas e outras mais calmas, o prazer, a tesão e a paixão foram ali mesmo vividas, não podia deixar de pedir palmadas porque aqui não quererá perder a sensação de sentir o ânus a ser penetrado e ao mesmo tempo, levar palmadas, chamarem-lhe nomes, puxarem-lhe o cabelo e claro, as mamas têm que ser bem acariciadas! Neste caso específicos falo sobre o que senti e sobre o que quis que ele me fizesse, e realmente consegui ter um orgasmo. Esqueci-me de referir que ainda usei um vibrador, não experimentei dupla penetração isso terá realmente que ficar para uma próxima, mas só o facto de ter o meu clitóris a ser acariciado pela vibração e o rabo a ser penetrado, a loucura fica realmente instalada!

Durante uma hora senti todo o seu pénis a penetrar-me um orifício que para mim era tão estranho, bem como o prazer de o sentir, algo mais estranho ainda, parece que se consegue sentir cada milímetro do pénis e queremos sempre mais e mais. Estava completamente relaxada e nisso têm razão, essa será a chave principal para que tudo corra bem! Confesso que o sexo anal dessa noite me ficou na memória, além de ter sido a primeira vez, foi realmente espectacular… Escusado será dizer que ambos atingimos orgasmos fantásticos e o sexo claro que depois disso continuou!

One Response

Deixar uma Mensagem

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.